CURTIR

RECUPERAÇÃO - PASSOS


OS DOZE PASSOS

PRIMEIRO PASSO

"Admitimos que éramos impotentes perante o álcool que tínhamos perdido o domínio sobre nossas vidas. "

Quem gosta de admitir a derrota total? A admissão da impotência é o primeiro passo para a libertação. A relação entre a humildade e a sobriedade. A obsessão mental somada à alergia física. Por que é necessário que todo AA chegue ao "fundo do poço"?



SEGUNDO PASSO

"Viemos a acreditar que um Poder superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade. "

Em que podemos acreditar? AA não exige crença; os Doze Passos são apenas sugestões. A importância de ter a mente aberta. A variedade de caminhe em direção à fé. Substituição por AA como força superior. A má situação de desiludidos. As barreiras da indiferença e do preconceito. A fé perdida é reencontrada em AA. Problemas do intelectualismo e da auto-suficiência. Pensamentos negativos e positivos. A honestidade. O desdém é uma característica saliente dos alcoólicos. O Segundo Passo é um ponto de reagrupamento em direção à sanidade. É a relação certa com Deus.



TERCEIRO PASSO

"Decidimos entregar nossa vontade e nossa vida aos cuidados de Deus, na forma em que O concebíamos."

O Terceiro Passo é como abrir uma porta trancada. Como faremos para permitir que Deus entre em nossas vidas? A disposição é a chave. A dependência com maneira de chegar à independência. O perigo da auto-suficiência. Entregando nossa vontade a um Poder Superior. Abuso da força de vontade. O esforço pessoal prolongado é necessário para se harmonizar com a vontade de Deus.


QUARTO PASSO   

"Fizemos minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos. "

Como os instintos podem exceder a sua verdadeira função. O Quarto Passo é um esforço para descobrir nossas deficiências. O problema básico dos extremos nos impulsos instintivos. O inventário moral mal orientado pode resultar em sentimento de culpa, grandiosidade e o hábito de culpar os outros. Pode se anotar as qualidades junto às deficiências. A autojustificação é perigosa. A disposição de fazer o inventário traz à luz uma nova confiança. O Quarto Passo é o começo de uma prática que durará a vida toda. Sintomas comuns de insegurança emocional são a preocupação, o rancor, a autopiedade e a depressão. O inventário revisa as relações. A importância da minuciosidade.



  QUINTO PASSO  

"Admitimos perante Deus, perante nós mesmos e perante outro ser humano, a natureza exata de nossas falhas. "

Os Doze Passos desincham o ego. O Quinto Passo é difícil, porém necessário à sobriedade e à paz de espírito. A confissão é uma disciplina antiga. Sem a destemida admissão dos próprios defeitos, poucos poderiam se manter sóbrios. Que recebemos do Quinto Passo? O começo da verdadeira afinidade com o homem e com Deus. Perde-se a sensação de isolamento; recebe-se e se dá o perdão; aprende-se a humildade; alcançam-se a honestidade e a realidade a respeito de nós mesmos. O perigo da justificação. Como escolher a pessoa em quem confiar. Os resultados são a tranqüilidade e a consciência de Deus. A união com Deus e com o homem prepara-nos para os próximos passos.



SEXTO PASSO

"Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter. "

O Sexto Passo é necessário para o crescimento espiritual. O começo de uma tarefa para a vida inteira. O reconhecimento da diferença entre o esforço para alcançar um objetivo e a perfeição. Por que precisamos continuar tentando? "Estar pronto" é de suma importância. A necessidade de tomar medidas. A demora é perigosa. A rebelião pode ser fatal. O ponto a partir do qual abandonamos os objetivos limitados e nos encaminhamos em direção à vontade de Deus para conosco.




SÉTIMO PASSO

"Humildemente rogamos a Ele que nos livrasse de nossas imperfeições."

Que é humildade? Que pode significar para nós? O largo caminho rumo à verdadeira liberdade do espírito humano. Uma ajuda indispensável à sobriedade. O valor do esvaziamento do ego. O fracasso e a miséria transformados pela humildade. A força que vem da debilidade. A dor é o preço da entrada para uma nova vida. O medo egocêntrico é o propulsor principal dos defeitos. O Sétimo Passo é a modificação de atitude que permite que nos transportemos em direção a Deus.



OITAVO PASSO 

"Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados. "

Este e os próximos dois passos tratam das relações pessoais. Aprender a viver com os outros é uma aventura fascinante. Os obstáculos: relutância em perdoar; a não admissão dos males feitos aos outros; o esquecimento propositado. A necessidade de uma revisão exaustiva do passado. O discernimento cada vez mais profundo resulta da minuciosidade. O tipo de dano feito aos outros. Evitando os julgamentos extremos. Adotando o ponto de vista objetivo. O Oitavo Passo é o começo do fim do isolamento.



NONO PASSO

"Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-Ias significasse prejudicá-Ias ou a outrem. "

Ter a mente tranqüila é o primeiro requisito para poder julgar acertadamente. A hora certa é importante quando se trata de reparação. Que é a coragem? A prudência significa assumir riscos calculados. As reparações começam quando nos tornamos companheiros em AA A paz de espírito não pode ser comprada à custa dos outros. A necessidade de discrição. A disposição de arcar com as conseqüências de nosso passado e de nos responsabilizarmos pelo bem-estar dos outros é o espírito do Nono Passo.



DÉCIMO PASSO

"Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos errados, nós o admitíamos prontamente. "

Podemos manter a sobriedade e o equilíbrio emocional sob quaisquer condições. A investigação própria torna-se um hábito regular. Admitir, aceitar e corrigir, pacientemente, os defeitos. A ressaca emocional. Quando foram feitas as pazes com o passado, pode-se enfrentar os desafios do presente. Os tipos de inventário. O rancor, os ressentimentos, o ciúme, a inveja, a autopiedade, o orgulho ferido todos levaram à garrafa. O autocontrole é o primeiro objetivo seguro contra a mania de grandeza. Olhamos tanto as qualidades quanto as deficiências. Exame dos motivos.



DÉCIMO PRIMEIRO PASSO

"Procuramos através da prece e da meditação, melhorar nosso contato consciente com Deus, na forma em que o concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós e forças para realizar essa vontade."

A meditação e a oração são as principais vias para um Poder Superior. A relação entre o exame de si mesmo, a meditação e a oração. Uma base indestrutível para a vida. De que maneira meditaremos? A meditação não tem limites. Uma aventura individual. O primeiro resultado é o equilíbrio emocional. Que diremos da oração? Pedidos diários para compreender a vontade de Deus e para a graça a fim de pô-Ia em prática. São indiscutíveis os resultados efetivos da oração. As recompensas da meditação e da oração.



 DÉCIMO SEGUNDO PASSO         

" Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem aos alcoólicos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades. "

A alegria de viver é o tema do Décimo Segundo Passo. Sua chave é a oração. O dar que não pede recompensa. O amor que não tem preço. O que é o despertar espiritual? Um novo estado de consciência é recebido como uma dádiva gratuita. A disposição de receber a dádiva está na prática dos Doze Passos. A maravilhosa realidade. Os benefícios de ajudar outros alcoólicos. Tipos de trabalho do Décimo Segundo Passo. O que diremos da prática destes princípios em todas as nossas atividades? A monotonia, a dor, a desgraça, transformadas com a prática dos passos. As dificuldades em praticá-Ios. "A dança·dos dois passos". Mudando para "o samba dos doze passos" e demonstrações de fé. O crescer espiritual é a resposta para nossos problemas. Colocando o crescimento espiritual em primeiro lugar. A dominação e dependência exageradas. Colocando nossas vidas na base do "dar e receber". A dependência de Deus é necessária à recuperação dos alcoólicos. "Praticando estes princípios em todas as nossas atividades." As relações conjugais em AA. O modo de encarar os assuntos materiais vai mudando. Também mudam os nossos sentimentos a respeito da importância pessoal. Os instintos voltam a ter seus verdadeiros objetivos. A compreensão é a chave das atitudes corretas, e a ação correta é a chave para viver bem.

2 comentários:

  1. Si não aceitamos os passos sugeridos jamais ficaremos em nossa Irmandade.

    ResponderExcluir
  2. Me ajuda muito publica
    çoes como esta

    ResponderExcluir